Saúde Mental & Emocional

Quando te vi pela primeira vez desisti. Tinha três anos e uma bicicleta a estrear. Subi para o selim, pedalei com quatro rodinhas, mas não consegui equilibrar-me nas duas. O coração acelerava, imaginava as quedas e o caminho contigo era perigoso. Um dia, tudo isto passaria só que a criança cresceria e a bicicleta seria só tua…

Nunca me esqueci do tempo que já passei contigo. Obrigaste-me a inventar dores de barriga, trabalhos de casa e até deixei de ir a uns piqueniques românticos, na adolescência. Não porque não quisesse, mas porque tinha vergonha de admitir que a minha bicicleta tinha 4 rodinhas. Para além disso, forçaste sorrisos e acenos de cabeça aquando alguém decidia motivar-me com “isto é como andar de bicicleta, nunca se esquece.” E agora o que é que eu faço?

Ontem foi dia de Psicoterapia. As terças já são dias especiais, horas marcadas para falar de ti, do teu aparecimento e da nossa relação inseparável. Sei e sinto que deixámos de olhar em frente com segurança, que o equilíbrio depende de mais de quatro rodinhas e que a nossa relação não pode ser alvo de vergonha, de silêncio ou de pressão psicológica.

Um dia, tu voltarás a ser inofensivo, a bicicleta uma piada saudável e eu andarei para a frente com a cabeça na lua e os pés assentes na terra. Porque tu continuarás sempre de mãos dadas com a vida, querido Medo!

 

medo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s